VOCÊ TEM MEDO?

Ontem à noite choveu muito, chuva forte, com raios a cada dois minutos. No céu, os barulhos dos trovões gritavam alto junto com o assovio dos ventos. Na cama, o clarão invadia a janela sem cortina.

Rompendo o silencio do quarto ela me perguntou: Você não tem medo?

Ainda de costas retruquei: Medo do que?

– Dos raios.

– Não, até acho bonito.

Ela se aconchegou no escuro e indagou:

– Do que você tem medo?

– De ficar sem dinheiro.

– Nenhum outro medo? De barata, da morte, não tem nenhuma resposta melhor do que dinheiro?

– Não tenho problema com baratas e acho que morrer agora seria bem ruim, mas não tenho exatamente medo de morrer. Acho que tenho medo de não conseguir viver o que está por vir.

– E do amor? Você tem medo do amor?

Depois de um breve silencio, entendendo a pergunta, respondo.

– Acho que ninguém tem medo do amor. As pessoas têm medo de sofrer, de se decepcionar, de que tudo dê errado… Mas não do amor. Não de amar.

Ela colocou a mão sobre o meu rosto, se inclinou, me deu um beijo e disse:

– Não perguntei das pessoas, perguntei de você.

Abri os olhos no escuro e fiquei pensando se realmente conseguiria suportar a vida se ela não existisse mais. Tenho transtorno depressivo persistente e muito medo de não conseguir me amar sabendo que só ela consegue resgatar o melhor em mim.

 

Texto por:
RICARDO MARUO
Diretor de planejamento estratégico digital da Área Comunicação. Atua a mais de 20 anos no mercado digital, principalmente nas áreas de inovação, data science e novos negócios. Palestrante profissional, professor na PUC-SP, especialista em psicologia comportamental e criador do projeto Mulheres Digitais.

COMPARTILHE ESTE ARTIGO:
MINUTO LEITURA

Área de Convidados Para tornar o nosso blog ainda mais interessante e democrático, criamos a área Convidados, com textos de amigos, colaboradores e de quem quiser participar. Se acrescenta, é sempre bem-vindo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.