A HERESIA DA SEPARATIVIDADE

Todos os dias somos questionados a nos posicionar, a
expressar nossa opinião a respeito de algo ou alguém. A vida nos cobra uma
opinião, temos que decidir de que lado estamos, afinal, se não estamos deste
lado só podemos estar do outro.

Enquanto isso nosso sistema de crenças nos coloca em xeque a
todo momento. O materialismo da vida prática nos afasta do que amamos e
restringe nossa vida a um punhado de coisas e tarefas diárias. Nos exige
acreditar que só existe aquilo que se pode tocar, ver ou sentir e nos reduz à
simples química cerebral. Por outro lado, o fundamentalismo espiritual insiste
em nos vender verdades em que não acreditamos. Extremos que se retroalimentam e
nos mantém separados um dos outros.

A tradição tibetana acredita que a maior causa de nossa
infelicidade e a origem de todo o mal está na separatividade, a chamam de “A
Heresia da Separatividade”. Quando nos isolamos, pensamos e agimos como se não
fôssemos parte de um só corpo chamado humanidade, começamos a crer que não
dependemos do próximo e que pouco importa a opinião do vizinho. Desta forma o
egoísmo nos corrói e dele surge todo mal.

Quando nos fechamos em nosso pequeno mundo e excluímos o
pensamento de alguém por pensar diferente, nos isolamos em nossas limitadas, e
às vezes falsas verdades, e perdemos a chance de expandir nossa visão além dos
nossos muros. Manter a mente aberta e viver além de nosso conhecimento,
significa abrir as portas para a liberdade, pois é impossível ser livre se
fechando atrás de nós mesmos.

Extremos são como paredes que nos sufocam atrás de opiniões
que nem sempre são nossas, mas que insistimos em dizer que são. Manter a mente
aberta para o novo, se questionar, buscar o autoconhecimento, é nos libertar
para viver a vida de forma mais plena e completa.

Temos o direito de pensar da maneira que queremos, também
temos o direito de mudar de opinião quando quisermos e até de não ter opinião
alguma sobre qualquer coisa. Mas também precisamos estar abertos para entender
e aceitar a visão de quem pensa de forma diferente. Cair na armadilha dos
extremos é limitar nosso poder de discernimento e ficar refém da opinião dos
outros. É cair na armadilha do ego, que insiste em nos afastar de quem
realmente somos.

COMPARTILHE ESTE ARTIGO:
MINUTO LEITURA

Área de Convidados Para tornar o nosso blog ainda mais interessante e democrático, criamos a área Convidados, com textos de amigos, colaboradores e de quem quiser participar. Se acrescenta, é sempre bem-vindo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.