Ricardo Maruo

COMO É FACIL SER UM “PAI EXEMPLAR”

Semana retrasada tivemos nossa primeira viagem em família. Desde o nascimento da minha filha (seis meses atrás) essa foi a primeira vez que viajamos todos juntos. O problema é que passei mal e acabei estragando todo passeio. Fiquei com muitas dores no corpo e passei a maior parte da viagem deitado. Voltamos e fiquei mais uma semana sem poder segurar minha filha no colo.

Me senti um verdadeiro inútil vendo minha esposa cuidar da nossa filha sem eu poder fazer nada. Aí começou a bater a Síndrome do Pai Impostor.

Pois bem, passado todo esse perrengue, sem dores e melhor da saúde, ontem fui andar com minha filha aqui no condomínio. Minha esposa ficou em casa, pois ela voltou a trabalhar e tinha alguns jobs para terminar. Ok. Coloquei o canguru e vamos lá, filha! Vamos passear no condomínio.

Passados 10 minutos duas senhoras olham pra gente e falam: “Ai que bonito, né? Um pai assim cuidando da filha.”

Mais 5 minutos e: “Que linda essa bebê. Tem a sua cara.” E mais: “E você trabalha em casa? Que sorte da sua esposa, né?! Aí você ajuda ela em casa”.

Enfim, o homem é tão privilegiado que para ser considerado um “pai exemplar” basta ele ter um bebê no canguru e não fazer absolutamente nada. Se fosse a minha esposa, era só a obrigação dela como mãe. Mas um pai?! Cuidando da filha?! Aí não, né amigo. Aí é algo muito raro! Essa régua é tão injusta que se eu trocar a fralda vão dizer que estou ajudando a mãe. Se eu preparar a mamadeira, caracas (!), que pai maravilhoso! Agora se eu fizer tudo isso e ainda lavar a louça, varrer a casa, terminar o job e for carinhoso com minha filha, Senhor amado. Serei o pai do ano!  

Em um país onde mais de 11 milhões de famílias são formadas apenas por mães solo, a presença paterna é um ponto fora da curva.

E taca-lhe curva nessa definição, porque essa curva é tão torta, mas tão torta, que a gente normalizou o que é errado. Eu deveria ser o pai mediano, o pai comum. Eu deveria ser o normal e não o ponto fora da curva. Mas como essa linha do equilíbrio é medida pelas coisas bizarras do patriarcado, é isso que dá. Uma distorção enorme da realidade.

Na boa, não quero ser um exemplo para minha filha nivelado por baixo. Assim é muito fácil ser um bom pai. Chegamos a um ponto onde o exemplo de pai é aquele trabalha o dia todo, volta pra casa todos os dias e não bate nos filhos. Como se tudo isso fosse algo extraordinário. Vocês não acham que isso é nivelar muito lá embaixo? 

Acredito que para ser um bom pai, antes é preciso ser uma boa companhia, e para ser um bom companheiro é preciso ser um homem diferente. E para ser um homem diferente é preciso repensar nosso papel dentro da masculinidade que existe em nossas vidas.

Quem sabe assim a gente não cria novos homens exemplares?

1 thought on “COMO É FACIL SER UM “PAI EXEMPLAR””

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *