Ricardo Maruo

A MULHER INVISÍVEL

Dora cresceu em uma família de classe média, acostumada a algumas “regalias” típicas do bairro onde viveu. Durante a infância, sua família dividia com a vizinha quatrocentona o andar e também a funcionária, duas vezes por semana no 52 e duas no 53.

Dona Cleide foi trabalhar na casa dela quando Dora tinha uns 11 pra 12 anos. Uma senhora negra, de voz calma e toda doçura do mundo. Foi ela quem explicou para Dora que existiam linhas sociais invisíveis e que as duas sempre estariam de lados opostos. 

Dona Cleide não sentava no sofá, não comia primeiro e aceitava o que os patrões ofereciam sempre com muito receio, constrangida por estar atrapalhando a vida dos pais de Dora.

Uma vez Dora questionou porque Dona Cleide usava o banheiro de fora, o cômodo era um amontoado de prateleiras, onde se guardava pano de chão, tábua de passar, vassouras, rodos e também onde ficava a cama do cachorro.

– Não dá para usar esse banheiro, disse Dora.

– Mas é o meu banheiro, respondeu Dona Cleide.

Dona Cleide teve a infância ceifada, com pouco carinho. Perdeu o contato com os pais logo cedo, deixou a casa dos avós quando se casou e teve duas filhas, a primeira aos 17 anos. Quando a família veio para São Paulo, Dona Cleide morava em uma casa menor do que o quarto de Dora.

Despretensiosamente, Dona Cleidemar ensinou a pequena Doralice tantas coisas, sem nunca ter lido Marx ou Gilberto Freyre. Ensinou o que realmente é esse Brasil cruel que muitos se orgulham tanto.

Semana passada estava lendo uma matéria de uma ex-faxineira que vai estrear um programa de TV na Bandeirantes e logo lembrei de Dona Cleide. Se ao menos ela tivesse tido oportunidade de não ser invisível, quem sabe a história não seria outra? Quem sabe o Brasil não seria outro? 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *